Download E-books Leituras: Resenhas & Ensaios PDF

By Cristovão Tezza

About the author:

Cristovão Tezza was once born in Lages, within the southern Brazilian kingdom of Santa Catarina, in 1952. he's the writer of thirteen novels, released in 7 languages, and the winner of many literary prizes, together with the Jabuti Prize, the Portugal-Telecom Award, the São Paulo Literature Award, Petrobrás Literature Award, Brazilian Academy of Letters, São Paulo artwork Critics' organization Award, the Zaffari & Bourbon Prize, Bravo, France's Charles Brisset Award, and a nomination for the 2012 IMPAC-Dublin Award. short area among colour and color was once the winner of the 1998 Brazilian nationwide Library's Machado de Assis Award.

Sobre o livro:

O presente quantity - exclusivo em edição electronic - é uma reunião de textos críticos de Cristovão Tezza, publicados em jornais, revistas e livros, de 1995 a 2013. Há resenhas mais breves, que saíram em jornais e revistas, como Folha de S.Paulo, Veja, O Estado de S.Paulo e O Globo; outras mais extensas, publicadas em cadernos literários; e ensaios de maior fôlego, como posfácios e conferências. O livro - que é prefaciado pelo crítico Manuel da Costa Pinto - inclui ainda duas palestras e uma crítica inéditas.

Esta coletânea registra a formação crítica de um escritor buscando partilhar por escrito o que pensa da literatura e pondo-se à prova diante de exemplos reais. Leitor onívoro, Cristovão Tezza faz uma viagem pessoal sobre obras clássicas e contemporâneas, numa lista que contempla, entre muitos outros, autores como Faulkner, Sartre, William Golding, Flannery O'Connor, Junichiro Tanizaki, J. M. Coetzee, John Berger e Michel Houellebecq. Dos mais de 20 títulos brasileiros comentados, incluem-se obras de Dalton Trevisan, Rubens Figueiredo, Marçal Aquino, Sergio Sant'Anna, Bernardo Ajzenberg, Carlos Heitor Cony e Rubem Fonseca.

No prefácio ("Xadrez em Curitiba"), o crítico Manuel da Costa Pinto assinala a capacidade de Cristovão Tezza "articular um universo incomensurável de leituras com uma vivência que, no seu caso, pode incluir desde o competente diletantismo num jogo de tabuleiro, ou o metódico senso analítico do relojoeiro que ele foi, até uma compreensão do “espírito da prosa” (título de sua autobiografia literária) que resulta da dupla condição de professor, de estudioso da língua, e de ficcionista que restaurou, no romance brasileiro, uma orientação crítica conquistada exatamente pela percepção de como as linguagens ficcionais e não-ficcionais estabelecem diferentes ancoragens no real."

Show description

Read or Download Leituras: Resenhas & Ensaios PDF

Best Essays books

The New Gods

Dubbed “Nietzsche with no his hammer” via literary critic James wooden, the Romanian thinker E. M. Cioran is called a lot for his profound pessimism and fatalistic procedure as for the lyrical, raging prose with which he communicates them. in contrast to a lot of his different works, comparable to at the Heights of melancholy and Tears and Saints, the recent Gods eschews his ordinary aphoristic technique in desire of extra large and analytic essays.

Albert Camus as Political Thinker: Nihilisms and the Politics of Contempt

An extreme genealogical reconstruction of Camus's political considering not easy the philosophical import of his writings as supplying an alternate, aesthetic figuring out of politics, political motion and freedom open air and opposed to the nihilistic different types of recent political philosophy and the modern politics of contempt and terrorisms

Readings: Essays and Literary Entertainments

ReadingsLiterary Entertainments Michael Dirda the easiest of the column, "Readings," fromWashington submit publication global, through Pulitzer Prize-winner Michael Dirda. considering the fact that 1993Washington submit e-book global has released a per thirty days column by way of Michael Dirda referred to as "Readings. " own, erudite, severe, and infrequently playful, those columns conceal numerous topics: classics in translation, highbrow background, children’s books, delusion and crime fiction, American and ecu literature, poetry, leading edge writing, the fun of accumulating first variations, rediscovering ignored novels, ghost tales, instructing writing, and the demanding situations of parenthood and existence mostly.

Does Anybody Have a Problem with That? The Best of Politically Incorrect

WITH invoice MAHER, ITS by no means POLITICS AS traditional! Conservatives understand what they wish and so they always remember it. aside from the time Reagan went to the Vietnam Memorial and shouted, Gorbachev, tear down this wall! Heidi Fleiss and Dr. Kevorkian [are] visionaries of yank social lifestyles, the queen and king of coming and going.

Extra resources for Leituras: Resenhas & Ensaios

Show sample text content

Por tudo isso, O ventre prossegue hoje uma obra transgressora, um belo ponto de partida de um dos nossos grandes escritores. (Folha de S. Paulo – 24/5/1999) Variações Goldman, de Bernardo Ajzenberg (Editora Rocco) Como a literatura é talvez a mais lenta das artes, por excesso de proximidade ainda não temos uma imagem nítida da prosa brasileira dos últimos anos. Ou pelo menos da prosa urbana brasileira mais recente, pós-Rubem Fonseca, quando a cidade, já o centro do país há décadas, começa afinal a entrar de modo mais consistente na nossa literatura no que ela tem de “não característico”, “não típico”, “não exótico”. A cidade como um espaço de relações abstratas, desesperançadamente sem mitos, uma rede tentacular mais de funções do que de seres, que na sua urgência parece desprovida de história, infância, silêncio, pais, filhos, árvores, paisagens, luas, saudades ou mesmo a ideia de futuro, um futuro obrigatoriamente luminoso – enfim, um espaço esvaziado de tudo aquilo que ao longo do pace vem construindo os lugares comuns (não necessariamente os chavões) da literatura. Não se trata apenas do espaço físico, do tema da grande metrópole como um pano de fundo a destruir as raízes “verdadeiras” do homem – um clichê renitente da nossa cultura – mas a consciência desenraizada como um dado prévio, um a priori da vida. Por esse viés (e talvez apenas por ele) uma obra como São Bernardo, de Graciliano Ramos, será mais transgressora do que Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa. O que poderia nos levar a dividir didadicamente os nossos prosadores entre os grandes criadores de mitos (José de Alencar, Jorge Amado, Guimarães Rosa, por exemplo, por mais disparatada que pareça essa família), e os seus demolidores, cujo patrono, é claro, seria Machado de Assis, não por acaso o mais urbano e o menos típico de nossos escritores. Esse breve esboço parece adequado quando acabamos de ler um exemplar do que poderia ser definido como o “absoluto contemporâneo”: o romance Variações Goldman, de Bernardo Ajzenberg (Rocco, 1998, 307 pp. ). Trata-se do 4to romance deste autor nascido em 1959, portanto pertencente ao que se pode chamar de “nova geração” (lembrando mais uma vez que a literatura é uma arte lenta, quando tudo o mais é rapidíssimo: aos forty ainda somos “novos”…), e de um romance realizado de tal forma, em linguagem e arquitetura, que poderá ser tomado como uma ótima referência de uma faixa atual da prosa urbana brasileira e de seu imaginário. Começando pela linguagem, em seus traços sintáticos e semânticos, não há absolutamente nada de extraordinário em Variações Goldman – o livro parece realizar o velho bordão de Millôr Fernandes, enfim um escritor sem estilo! Claro, se entendemos estilo como alguma coisa parecida com “marca retórica pessoal”, Ajzenberg não deixa transparecer estilo nenhum; mas se o entendemos como a area da linguagem em que diferentes vozes sociais vão se encontrar para a encarniçada luta das palavras (de seus pontos de vista), o livro como que entrega a iniciativa de sua fala à “voz corrente”, e uma voz corrente que não tem dono, que não quer frisar sua diferença nem impor seu sotaque; uma voz corrente que não quer chamar a atenção sobre si mesma, para não desviar o olhar do leitor daquilo que, na perspectiva do romance, é realmente importante.

Rated 4.66 of 5 – based on 20 votes